Autor: Neil Gaiman
Ano de Publicação: 2013
Editora: Intrínseca

Sob o solo em que nossos pés tocam, será que existe alguém igual Neil Gaiman?
De fato há, mas o que quero dizer,é,alguém que pensa da maneira tão pouco humana que nem ele?(?)
Se por ventura, certa hora da tarde,acabo me vendo absorto em pensamentos,sob o efeito de um picolé de milho e percebo que o palito do mesmo,me oferece uma excursão para mente de algum escritor,Neil seria minha primeira opção.(Não mentira,minha primeira opção seria a do Franz Kafka,mas como ela se encontra temporariamente indisponível,ficarei com a do Neil).


Mas quem é Neil Gaiman?
Sim muitos se perguntam, até eu mesmo me pergunto quem será esta ilustre pessoinha, que todos falam e bla bla bla, é um fato consistente que ele é um rapaz muito brincalhão e que gosta muito de avacalhar, mas acima de tudo ele criou aquela que foi eleita a melhor história em quadrinho do século XX!!!!!!
Gaiman vestiu a sua tanguinha favorita e com direito a mortal, deu um salto no mundo dos sonhos, de um jeito que nenhum outro escritor ousou fazer.
Sim sim sim,ele escreveu a obra-prima da arte seqüencial: SANDMAN!!!
Para aqueles que leram sabem, o quão difícil é,descrever esse autor e sua obra em poucas palavras,porém a triste noticia é que não é de Sandman que se trata a resenha de hoje,mas sim de seu último livro:O Oceano no Fim do Caminho.
Porém num futuro não muito distante me vejo ainda escrevendo sobre Sandman.
ENFIM.

Certo dia em uma viagem rumo ao típico bairro japonês, conhecido também como Liberdade, acidentalmente me depara na estação Santa Cruz com um cartaz que dizia basicamente isso: NEIL GAIMAN o oceano no fim do caminho, nas livrarias perto de você.
Eu me desesperei olhei para os dois lados e finalmente a ficha caiu, pesquisei futilmente na internet a respeito e depois de passado alguns tempos me vi voltando para casa com ele com as mãos suadas.
Sentei e terminei-o em um dia e uma madrugada.


O livro começa com uma atmosfera autobiográfica, narrado em primeira pessoa, por alguém cujo nome não é dito em toda história, e isto acabou me frustrando um pouco, mas há tantas coisas para serem lidas nas entrelinhas, que fiquei duvidando que a história de fato acontecia.
A historia começa quando a “pessoa”,participando de um funeral,acaba por se sentir um tanto sufocado devido ao clima sobrecarregado de melancolia e assim resolve sair por ai,a borde de seu carrinho.
E mecanicamente ele acaba indo para casa onde crescera,que há décadas não existe mais,ele a olha,e acaba optando a ir ate o final da estrada,do que voltar para o aconchegante velório.
E ai que o livro pega o leitor leva para as nuvens e arremessa violentamente contra o chão.Há muitas menções de outros livros no livro,e isso é muito divertido.
Uma estranha coincidência  é que eu também cheguei a ganhar um boneco de plástico do Batman em um certo aniversario frustrado,e com o personagem também acontece.
O esse livro resgata aquele par de olhos que nos recusamos a colocarmos na nossa orbita novamente.(O famoso efeito Pequeno Príncipe)
É uma leitura bem light,porém,após o termino ficamos um tanto autos,tristes e melancólicos,abraçado com o livro olhando para o nada entre o nada.

Uma música para acompanhar a leitura...


                                             Resenha feita por Pedro Rafael

5 Comentários

  1. Pedro, já inclui este livro na minha lista de próximas leituras e estou super ansiosa para conhecer a história.

    Abraços, Isabela.

    ResponderExcluir
  2. Sou doida para ler esse livro. Já está na minha wishlist faz um tempinho mas ainda falta uma série de livros até chegar a vez deu comprar esse.

    http://alguns-livros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Parece muito bom esse livro!
    Já estou te seguindo :)

    http://colorful-mushrooms.blogspot.com.br

    Beijoos ;*

    ResponderExcluir
  4. esse livro é otimo! bjs
    http://taynaemariana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Nossa que resenha profunda! Já ouvi muita a respeito do livro e quando o vi em uma livraria até me surpreendi por ele ter um tamanho menor do que os outros. Mas eu sempre fui curiosa com sua história, assim como "A culpa é das estrelas". Neil parece ser bem enigmático!
    Bjsss
    Samantha Artes & Books
    http://samgirl-arts.blogspot.com/

    ResponderExcluir